.. e eu tomei Kopi Luwak

Não me entendam mal, eu sou o tipo de cara que além de gostar de café, sou um pretenso gourmet: Gosto de determinados cafés de origem controlada, sei o que são agtron (unidade de medida de torra de café, pela cor do grão), prefiro cafés menos torrados do que o gosto típico brasileiro, etc.

Mas nunca cheguei ao ponto de achar que valia a pena pagar R$ 18 por uma chícara de espresso de Kopi Luwak. Minha primeira exposição ao Kopi Luwak foi através de um antigo episódio de CSI (s03e20), onde um dos personagens comentava como o grão de café “ao passar pelo trato digestivo do animal sofria uma série de leves fermentações, alterando o sabor do café”. Inicialmente achei que fosse fictício, algo tão louco como tomar um café defecado por determinado animal parecia bizarro demais.

Quando algumas semanas depois eu vejo um sujeito comprando 150gr de Kopi Luwak na cafeteria que costumamos frequentar quando vamos ao mercado municipal. . o O ( É de verdade! ). Claro que o Kopi Luwak foi o assunto número 1 naquela semana na Haxent e descobrimos que a mesma cafeteria vendia um único espresso de Kopi Luwak por exorbitantes dezoito reais.

Claro que a brincadeira passou a ser “se eu pagar, você toma?” E ficamos só nas ameaças mútuas por 6 meses, 1 ano. Pois bem, hoje o Guilherme resolveu “hoje eu pago um kopi luwak pro bruder” enquanto almoçávamos no Mercado Municipal.

(drum roll)

Veredito: Café excelente, particularmente um grau de torra baixo, baixo o suficiente para se tomar um espresso dele sem açúcar agradavelmente. Um ótimo café, como poucos que tomei até hoje.

… mas daí pra valer R$ 18 uma única xícara de espresso, não mesmo.

Se você quiser matar a curiosidade pelo aspecto exótico, eu recomendo. Fora isso, esqueça.

2 thoughts on “.. e eu tomei Kopi Luwak

  1. Olá Bruder,

    Aqui no Espírito Santo, existe uma variedade desses cafés baseados em côcô de animais. É chamado de Jacu Coffee.

    O processo é o mesmo, o Jacu come o grão, ele fermeta, e depois é colhido.

    Só que aqui é assim, não vale um Jacu preso, ele tem que vir por livre e espontânea vontade, comer e expelir o grão. Quando expelido, lembra muito um pé-de-moleque.

    Segundo especialistas, o sabor é semelhante a este café citado por ti.

    Um abraço !

Comments are closed.